Notícias

23 de outubro de 2018

Debate Regrado

Os alunos do 7º ano do turno manhã têm exercitado, durante as aulas de Língua Portuguesa, a arte de argumentar. “Argumentar é a arte de convencer e persuadir. Convencer é saber gerenciar informações, é falar à razão do outro, demonstrando, provando (...). Persuadir é saber gerenciar relação, é falar à emoção do outro ” (A arte de argumentar - gerenciando razão e emoção, de Antônio Suarez Abreu). Assim, foi proposto aos alunos um DEBATE REGRADO acerca das temáticas presentes no filme “O diabo veste Prada”. Nesse debate, os alunos, além de defenderem seus pontos de vista, deveriam também avaliar o nível de argumentação dos colegas. Algumas ideias foram discutidas sobre conflitos e crenças, autoconhecimento, aceitação, autoimagem, discurso da manipulação, a dicotomia entre o SER x TER. Ademais, muitos alunos defenderam ideias e incitaram a algumas reflexões, como: o que é um modelo ideal - de vida, de consumo, de atitudes? Qual é o valor e o custo de manter certas “vontades” e “desejos” em nossa vida? O que é o Poder? Ele fascina em que medida? Moda e consumo: favorecem a autoestima e imagem? Em que medida e com que efeitos? Assumir a nossa identidade e a nossa imagem perante o outro.

 

O filme “O diabo veste Prada” gera uma reflexão em seus telespectadores sobre o modelo de vida exposto pela sociedade e a rejeição a um indivíduo que não segue as expectativas impostas pela sociedade. Diante do abuso de poder praticado por Miranda (motivo que, no mundo real, tem rendido uma série de processos para as organizações por assédio moral), Andrea acaba anulando sua vida pessoal, na medida em que os pedidos da chefe, sempre emergenciais, tornam-se cada vez mais absurdos, a qualquer hora do dia ou da noite. Ela se adapta de tal forma que vive uma mudança radical, tanto física quanto comportamental.”

Beatriz Gomes – aluna 7º B

 


“O filme ‘O Diabo Veste Prada’ retrata a vida dos funcionários da Runway, importante revista de moda, com suas batalhas para sobreviver à pressão e aos desafios do dia a dia e, principalmente, às exigências da editora-chefe Miranda, no cobiçado mundo fashion.
O filme apresenta diversos estereótipos. O principal deles é Miranda Priestly, uma famosa editora chefe de uma das mais influentes revistas de moda do mundo e não há quem não a conheça no ramo. Muito exigente, ela faz seus funcionários trabalharem ao máximo e exaustivamente para garantir sempre a liderança no mercado fashion.”

Nicole – aluna 7º B

 


“Na sociedade atual, o consumo se refere de forma recorrente a um meio de satisfação de necessidades e identificação cultural. Este comportamento (de consumo) é definido como meio de aquisição de necessidades básicas (alimento e vestimentas), englobando as atitudes de compra: o que as pessoas compram, por quê, quando e com que frequência compram, como usam e procuram e como avaliam o que compram e usam.”

Fernanda Werneck – aluna 7º B

 


Na sociedade de informação percebe-se que há a “lei do consumo” na medida em que são formadas representações sociais rígidas que podem impor aos indivíduos ideais de beleza, sucesso e vida pessoal, por vezes, impossíveis de serem atingidos. É dessa forma que, nessa sociedade, o consumismo influencia na formação da subjetividade, ao tornar-se parte da cultura, enquanto age como um instrumento que proporciona a exclusão social, afetando diretamente no comportamento dos indivíduos.”

Angélica Stekellerg P. Macedo – aluma 7º A

Compartilhe